Home / Deusa Ceres


Anualmente, a AEASP presta homenagens aos engenheiros agrônomos que mais se destacaram nas atividades agronômicas.
O Conselho Deliberativo da AEASP, os membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal elegem os homenageados, mediante propostas encaminhadas por engenheiros agrônomos associados, instituições de ensino e entidades ligadas ao setor agronômico. As homenagens são concedidas durante a tradicional solenidade Deusa Ceres.

Categorias premiadas:

ENGENHEIRO AGRÔNOMO DO ANO

Láurea concedida, desde 1972, aos engenheiros agrônomos com longa trajetória e reconhecida contribuição para a agropecuária

MEDALHA FERNANDO COSTA

A partir de 1991, para os destaques em Iniciativa Privada, Ensino, Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, Ação Ambiental e Defesa Agropecuária;

MEDALHA JOAQUIM EUGÊNIO DE LIMA

A partir de 1994, para engenheiros agrônomos com atuações destacadas na área de Paisagismo.

 

 

Histórico

O Troféu Deusa Ceres foi criado em 1972, pelo engenheiro Cláudio Braga Ribeiro Ferreira, à época presidente da AEASP, e tem o intuito de incentivar e valorizar o trabalho dos engenheiros agrônomos.

Do mesmo modo, em 1991, a entidade criou o Prêmio do Mérito Agronômico com a entrega da medalha Fernando Costa. O nome da insígnia reverencia a memória de Fernando Costa, um grande realizador, ministro da Agricultura no primeiro mandato de Getúlio Vargas, também secretário de Agricultura e interventor do Estado, reconhecido por sua luta em prol dos interesses da agronomia.

Já a Medalha Joaquim Eugênio de Lima, criada em 1994 pela AEASP, reverencia onome do engenheiro agrônomo uruguaio, radicado no Brasil, que, dentre outras obras, idealizou a Avenida Paulista. Engenheiros agrônomos que se destacam na atividade de paisagismo recebem essa láurea.

Qualquer engenheiro agrônomo pode ser indicado à premiação da Deusa Ceres, à exceção dos que participam da Diretoria Executiva, à época da eleição. A escolha do premiado é feita na sede da AEASP, anualmente, no período de julho a agosto. A indicação pode ser feita por qualquer associado, faculdades de agronomia, institutos e entidades ligadas ao setor.

A solenidade

A solenidade de entrega do Prêmio da Deusa Ceres, da Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo (AEASP), reúne ilustres engenheiros agrônomos e suas famílias, além de autoridades ligadas à agronomia e agropecuária.

O evento é realizado anualmente desde 1972 e presta homenagem aos profissionais da agronomia que brilharam em diversos segmentos.

Símbolo da agricultura

A Deusa Ceres cultuada pelos romanos é, na mitologia grega, Deméter, a divindade da Agricultura e da Fecundidade da terra. Seu culto foi introduzido em Roma no século 5, antes de Cristo, quando recebeu o nome de Ceres. Todas as lendas sobre Ceres referem-se ao seu caráter agrário, que, de forma poética, procuram explicar fenômenos ligados ao cultivo da terra.

Deusa do trigo e dos outros cereais, Ceres ensinou aos homens a arte de arar, plantar e colher e ensinou às mulheres a arte de fazer pão. A palavra cereal é derivada do nome “Ceres”,a quem os romanos dedicavam inúmeras festas, realizadas de acordo com as estações do ano, representando as épocas de plantio, de cultivo e da colheita dos cereais.

Com um conteúdo agrário elementar, o culto à Deusa Ceres evoluiu para um significado mais profundo, ligado ao ciclo da vida, promovendo forte interação entre homens e plantas e indicando que tudo renasce da terra.

Conheça os homenageados da Deusa Ceres por edição

Laureados com o título de Engenheiro Agrônomo do Ano

2018 – Decio Zylbersztajn
2017 – Tsai Siu Mui 
2016 – José Carlos Gonçalves 
2015 – Aldir Alves Teixeira
2014 – Luiz Carlos Sayão Ferreira Lima
2013 – Evaristo Marzabal Neves
2012 – Romeu Afonso de Souza Kiihl
2011 – Luiz Carlos Corrêa Carvalho (Caio)
2010 – Luís Carlos Guedes Pinto
2009 – Ivan Wedekin
2008 – Shiro Nishimura
2007 – Marco Sawaya Jank

2006 – Antônio Roque Dechen
2005 –
José Levi Pereira Montebelo
2004 –
Plínio Brotero Junqueira
2003 –
Urbano Campos Ribeiral
2002 –
José Eduardo de Paula Alonso
2001
– Antonio Carlos de Mendes Thame
2000 – Claudio Braga Ribeiro Ferreira
1999 – João Jacob Hoelz
1998 – José Cassiano Gomes
1997 – Francisco Graziano Neto
1996 – Cristiano Walter Simon
1995 – Roberto Cano de Arruda

1994 – José Amauri Dimarzio
1993 –
François Regis Guillaumon
1992 –
Reynaldo Forster
1991 –
João Lúcio de Azevedo
1990
 – Carlos Gomes dos Santos Côrtes
1989 – Fernando Penteado Cardoso
1988 – Joaquim Teófilo Sobrinho
1987 – Roberto Rodrigues
1986 – Ney Bittencourt de Araújo*
1985 – Glauco Pinto Viégas*
1984 – Salvador de Toledo Piza Júnior*
1983 – Adolpho Chebabi*

1982 – Veridiana Victória Rossetti*
1981 –
José Gomes da Silva*
1980 –
Alcides Carvalho
1979
– Warwick Estevam Kerr
1978 – José A. Lutzemberger
1977 – Carlos Lorena
1976 – Adibe Jorge Rostonv
1975 – Nicanor Carvalho
1974 – Álvaro Santos Costa
1973 – José Garcia de Barros Filho*
1972 – Édison Consolmagno*

 

*In memoriam

ENGENHEIRO AGRÔNOMO DA DÉCADA

2003 - Roberto Rodrigues