Engenheiro agrônomo: além do arroz e feijão Por Mauro Regis Vieira*


A agricultura é essencial para a manutenção da vida. O homem, ao longo do tempo, deixou de ser perseguidor de sua comida para se tornar um produtor de alimentos e remodelar a civilização humana. Semear e criar tornaram-se a chave para deixar de ser nômade e criar raízes em determinadas áreas, formando assim os povoados e as cidades. Pelo método da tentativa e erro, a produção de alimentos teve uma lenta evolução, sendo que o cultivo da terra e a criação de animais envolvia quase 80% da população mundial, sendo que a agricultura passou a ser também um trabalho de observação que consumia tempo e gerava conhecimento.
Saindo das ferramentas agrícolas rústicas outrora usadas pelos romanos para os arados puxados por animais nos séculos 18 e 19, as inovações agrícolas não pararam de surgir. A população mundial aumentou de 2 bilhões para 7 bilhões de habitantes e a necessidade de produzir alimentos acompanhou esse crescimento. O mundo precisava produzir mais e mais alimentos, ao mesmo tempo que precisava fazer o uso racional da água e do solo, conservando o meio ambiente e adaptando-se ao modelo global e às mudanças climáticas.
Assim, os observadores deixaram de testar e errar e passaram a estudar mais sobre “onde, como, quando e quanto” produzir. Surgiram, assim, as Ciências Agrárias, que no Brasil teve sua primeira Escola de Agronomiano município de São Bento das Lages, no Estado da Bahia, em 1875.
Sem mão de obra escrava, fez-se necessário explorar melhor a terra e seus recursos naturais. Produzir conhecimento e modernizar a forma de produzir alimentos foi e continua sendo o alvo das Ciências Agrárias, com o engenheiro agrônomo exercendo papel fundamental na segurança alimentar do Brasil e do mundo. É certo que o engenheiro agrônomo de hoje tem muitas atribuições diferentes em relação ao profissional do início do século XX. As porteiras se abriram, os conhecimentos se multiplicaram e a ciência exige cada dia mais que o agrônomo deixe de ser “da porteira pra dentro” para ser um gerador e distribuidor de conhecimentos.
Dia 12 de outubro, Dia do Engenheiro Agrônomo, um profissional de formação eclética e muito antiga, levando-nos à primeira profissão que já se ouviu falar, desde o Jardim do Éden, quando foi posto o homem para criar e cultivar vida na forma de alimentos, para dar manutenção e suprir as necessidades da vida humana no decorrer da história do homem na face Terra e quem sabe até em outros planetas.
*Engenheiro agrônomo e doutor em Biotecnologia.