Novas ameaças


Duas espécies de insetos e uma erva daninha ainda pouco conhecida no Brasil vêm preocupando os produtores de soja nesta safra. Porém, a Embrapa Soja minimiza a ocorrência destas novas ameaças fitossanitárias.
Em comunicado oficial divulgado nesta semana, o centro de pesquisa diz que o aparecimento destas novas pragas é pontual e regionalizado, não representando risco generalizado à produção de soja no Brasil. A recomendação é manter o monitoramento constante da lavoura.
Segundo a Embrapa, nesta safra, as pragas e plantas daninhas que deverão causar maior preocupação já são conhecidas do produtor. São os percevejos, lagarta-falsa-medideira, lagarta-da-soja, ferrugem da soja, buva e o capim amargoso.
A Helicoverpa Armigera, que muito assustou os produtores em safras passadas, não representa grande ameaça nesta safra. Apesar de presente em quase todo Brasil, a lagarta só causou perdas em algumas regiões bem delimitadas. “Houve gastos excessivos com inseticidas pelos agricultores, que foram estimulados a realizar pulverizações por vezes preventivas para a praga e, em muitos casos, acima da real necessidade”, diz o comunicado sobre o período de combate da Lagarta Helicoverpa.
A Embrapa ainda informa que não foi confirmada nas lavouras brasileiras a presença de uma nova lagarta, conhecida como Helicoverpa Punctigera. O Ministério da Agricultura ainda estuda o aparecimento de um inseto com características semelhantes que surgiu na região noroeste do Ceará.