Bovespa


É iminente o anúncio de uma fusão entre a BM&FBovespa e a Cetip (maior depositária de títulos privados de renda fixa da América Latina e maior câmara de ativos privados do Brasil). A companhia de capital aberto realiza serviços de registro, central depositária, negociação e liquidação de ativos e títulos.
De acordo com a análise de fontes ouvidas pelo Portal Agrolink, essa movimentação não deve resultar em maiores impactos no negócio de commodities. Isso porque os produtores preferem não fazer hedge na bolsa, em função de o contrato de milho ser baseado em Campinas (SP) onde há uma diferença de base muito grande.
O dinheiro para a aquisição da Cetip veio da venda dos 20% de participação que a BM&FBovespa detinha no CME, o grupo norte-americano das quatro maiores bolsas de mercado futuro do mundo. A negociação rendeu cerca de R$ 450 milhões – que não foram distribuídos entre os acionistas – o que levou à conclusão de que o negócio está próximo de ser concluído.
A BM&FBovespa investiu forte nos últimos meses para aumentar sua presença nos ativos de renda fixa, setor que segue dominado pela Cetip. A exceção são justamente as Letras de Crédito Agrícola (LCA), área na qual não possui presença.

Fonte original: Agrolink