Agroecologia


Cerca de 400 pessoas, entre acampados e assentados de reforma agrária, participaram do 1º Seminário de Agroecologia da FNL (Frente Nacional de Luta Campo e Cidade) – etapa São Paulo, de 13 e 15 de novembro, no município de João Ramalho, região de Presidente Prudente. O evento, realizado pela FNL, contou com apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).
Na abertura do seminário, o delegado federal agrário do MDA/SP, Reinaldo Prates, destacou a importância do Brasil como país detentor da maior quantidade de terras agricultáveis do mundo. “O governo federal tem clareza da posição estratégica do Brasil na questão do abastecimento alimentar mundial. E as políticas de acesso à terra desenvolvidas pelo MDA e Incra têm papel fundamental nesse cenário”, argumentou.
O superintendente do Incra/SP, Wellington Diniz Monteiro, ponderou que o país precisa desenvolver mais ações voltadas à sustentabilidade ambiental e à transição agroecológica, a exemplo da iniciativa do Seminário. “Muitos venenos banidos em todo o mundo continuam sendo usados no Brasil. Está claro que isso afeta o equilíbrio ambiental, a qualidade da água e dos alimentos. Pessoas estão morrendo por conta de doenças advindas do contato direto ou indireto com os agrotóxicos”, lembrou.
De acordo com a dirigente nacional de agroecologia da FNL, Jéssica Camargo, São Paulo é a terceira dentre cinco etapas nacionais do Seminário. As duas primeiras ocorreram no Distrito Federal e em Minas Gerais. Em São Paulo, foram envolvidas principalmente as famílias acampadas da região do Pontal do Paranapanema. O Seminário abordou questões como a gestão de resíduos sólidos, o saneamento ecológico, a produção de insumos e a soberania alimentar. “É fundamental possibilitar ao acampado esse olhar sobre o que consumir, por que consumir e como fazer a gestão de resíduos sólidos. A transição agroecológica depende da disseminação e da transferência desses conhecimentos já na base”, concluiu.
Durante o Seminário ocorreram ainda oficinas sobre "Formação de Preço e Mercado" e "Desenvolvimento e Comercialização" e uma feira com venda e exposição de produtos da reforma agrária.

Fonte original: assessoria de imprensa