Valor em baixa


Contrapostas as cotações do frango vivo e do boi em pé desde 2001 até agora (praticamente 15 anos), a constatação é a de que o preço alcançado pelo frango vem correspondendo a, aproximadamente, 33% do preço do boi (preço da arroba transformado em quilo).
Esse resultado, porém, está fortemente influenciado pelos resultados alcançados nos oito primeiros anos deste século, período em que a relação ficou em torno de 35%. Ou seja: entre 2009 e 2015 essa média recua para cerca de 30%.
Isso claro, corresponde à média dos últimos sete anos. Porque, se considerados os valores mais recentes recebidos pelos produtores de frangos e bovinos, essa relação recua para algo em torno de 26%.
A curva de tendência aplicada ao gráfico sugere que isso deve continuar. Mas... até quando? É difícil responder. O melhoramento contínuo impresso ao frango (genético, nutricional, sanitário, ambiental, de manejo) e a produção massiva crescente deveriam propiciar custos e preços ainda menores. Mas o limite, aqui, são os insumos essenciais do frango, as matérias-primas alimentares.