Bandeira vermelha


Os produtores irrigantes vão pagar menos pela energia elétrica. Foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff, o projeto de lei 13.203/2015 que retira a cobrança da bandeira tarifária vermelha das contas de energia elétrica das atividades rurais irrigantes e também dos produtores de peixe.
Instituída no Brasil em janeiro deste ano, a bandeira vermelha aumentou em R$ 4,50 o custo da energia por cada 100 kWh (quilowatts-hora). “O desconto na tarifa de energia usada na irrigação para produção de alimentos foi um ato de responsabilidade e sensibilidade da presidente Dilma”, disse a Ministra da Agricultura, Kátia Abreu.
Os produtores de arroz do Rio Grande do Sul foram um dos mais beneficiados com a medida, já que por lá 100% das lavouras de arroz são irrigadas. Segundo a Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), o fim da bandeira tarifária pode reduzir em 25% os custos de produção dos orizicultores.
Ainda segundo a Federação, no último ano o custo da energia elétrica aumentou cerca de 104% para a cultura do arroz e só a bandeira vermelha representou 23% desta alta.
As áreas irrigadas no cerrado baiano também foram beneficiadas. A cobrança da bandeira vermelha tinha inviabilizado projetos de irrigação na região e, por consequência, a produção de grãos no oeste da Bahia, onde é necessário o uso de pivôs centrais.

Fonte original: Universo Agro