Mariana


Após o rompimento da barragem da empresa Samarco, no município de Mariana, região Central de Minas Gerais, os produtores rurais atingidos pela lama indicam que registraram prejuízo perto de R$ 23,2 milhões.
As informações constam no levantamento realizado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), que avaliou os impactos provocados pelo desastre nas cidades de Barra Longa, Mariana, Ponte Nova e Rio Doce.
A Barragem de Fundão da mineradora Samarco, cujos donos são a Vale e a BHP Billiton, se rompeu no dia 5 de novembro de 2015. O distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, foi o mais afetado. A enxurrada de lama também atingiu cerca de 40 cidades em Minas e no Espírito Santo. O desastre ambiental deixou 17 mortos e dois desaparecidos.
De acordo com a pesquisa, 195 propriedades foram atingidas, e a maior parte do prejuízo ocorreu em áreas utilizadas para pastagem, capineiras, plantações de cana-de-açúcar, grãos e horticultura, além de construções, cercas, máquinas e equipamentos e animais perdidos, principalmente aves.