Mulheres no agronegócio


No dia 10 de março, o Centro de Cana do IAC, em Ribeirão Preto, SP, receberá o V Encontro Cana Substantivo Feminino, evento nacional que reúne cerca e 250 profissionais, 90% do sexo feminino, que atuam no agronegócio, principalmente no setor sucroenergético. 
São produtoras rurais, profissionais de usinas, de empresas fornecedoras de produtos e serviços, pesquisadoras, professoras, estudantes e jornalistas, que debatem o mercado de trabalho para as mulheres e também as práticas, ações e tecnologias que contribuem para o desenvolvimento sustentável do agronegócio.
Ainda não há números corretos sobre a quantidade de mulheres que atuam no agronegócio brasileiro. Breve isso irá mudar, pois a ABAG - Associação Brasileira do Agronegócio – e a PwC irão realizar uma pesquisa nacional para apurar a participação feminina no campo.
Mas é possível calcular que muito desse território ainda está para ser conquistado pelas mulheres. Tomando por base a agroindústria canavieira, que além da área agrícola, engloba indústria, logística, mercado, pesquisa e tecnologia, calcula-se que o setor empregue direta e indiretamente dois milhões de pessoas, sendo que, segundo estimativas não muito aprofundadas, as mulheres ocupam 15% dessas vagas.
Sabe-se também, que esse cenário está em transformação, pois além da evolução tecnológica que reduz a necessidade de força física nas operações rurais – o que era um obstáculo para a maior presença feminina –, a mulher está muito mais qualificada, já ocupa 60% dos bancos universitários. Até mesmo em cursos considerados “mais para homens”, como Agronomia, a mulher não é mais a minoria.
“Elas são maioria nas graduações e nos mestrados e são mais capacitadas. As empresas precisam buscar talentos e não podem se dar ao luxo de não atrair essas mulheres”, diz Ana Paula Malvestio, Sócia e Líder de Diversidade & Inclusão na PwC Brasil.
De acordo com a jornalista Luciana Paiva, organizadora do Encontro Cana Substantivo Feminino, o evento é comemorativo ao Dia Internacional da Mulher, mas os homens são muito bem-vindos, afinal o objetivo é incentivar a diversidade no setor. A inscrição antecipada é gratuita pelo site: www.canasubstantivofeminino.com.br

Fonte original: Agrolink