Frutas e hortaliças


Em busca de maior tempo de conservação de frutas e hortaliças frescas, a Embrapa Clima Temperado (Pelotas,RS), através da equipe de pesquisa do Núcleo de Alimentos, adquiriu dois sistemas mais avançados de armazenamento desses produtos. Os sistemas são chamados de atmosfera controlada e atmosfera dinâmica, sendo o primeiro já utilizado por algumas empresas e instituições de pesquisa no país, mas aatmosfera dinâmica é muito recente, sendo a primeira unidade da Embrapa a usá-lo. Um técnico vindo da Itália e dois representantes da empresa italiana no Brasil, realizaram a montagem dos equipamentos e o treinamento para um grupo de pesquisadores e doutorandos. A atividade aconteceu entre os dias 2 e 4 de maio, nas dependências da unidade de pesquisas e a aquisição desse avanço tecnológico é resultante da parceria entre a Embrapa e o Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), envolvidas nas ações do projeto Pólo de Inovação Tecnológica em Alimentos da Região Sul, vinculado à Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico do RS.
Segundo o pesquisador Rufino Fernando Flores Cantillano os dois sistemas representam um avanço importante na conservação de frutas frescas, pelo fato de estenderem significativamente a sua vida de prateleira ao preservar sua qualidade. "O sistema de atmosfera controlada, no caso com a cultura da maçã, pode estender sua conservação até um ano de duração. Já, o sistema de atmosfera dinâmica, que é um "top de linha", poderá permitir igual período de duração ao da atmosfera controlada, mas a qualidade de componentes conservados na maçã será superior com o sistema de atmosfera dinâmica", explicou. Ele disse que esse sistema mais moderno permite que não se perca os componentes nutricionais do alimento, que se preserve o sabor e a textura e que não ocorram alguns distúrbios fisiológicos na fruta.
Para Cantillano os benefícios com a aquisição desse equipamento são muitas: praticidade de gerenciamento à distância (os softwares podem ser acessados de qualquer lugar do mundo); organização na comercialização de produtos, pois a venda de alguns produtos pode ser prolongada e atender janelas de mercado; aproveitamento de alimentos,com redução nas perdas no pós-colheita; e preservação ambiental, já que se reduzem as perdas de frutos, e não se produz lixo no ambiente. "Hoje as perdas no pós-colheita são importantes, segundo a FAO, está na ordem de 30 a 40% e para os produtores a perda de um produto na etapa final, como a pós-colheita, torna-se muito maior do que se ele perdesse o fruto no campo. Na etapa de pós-colheita, os frutos embutem todo o investimento do produtor como custo da muda, os tratos culturais, os tratos fitossanitários, a colheita, transporte, enfim, todos os cuidados até aquele fruto chegue ao mercado", comentou.