Celebração


Neste mês de outubro é celebrado os dez anos da Moratória da Soja. O acordo foi firmado entre entidades do setor que se comprometeram a não comercializar a soja produzida em áreas desmatadas da Amazônia. Segundo informações da Agrosatélite, entre 2009 e 2014 o desmatamento no bioma foi reduzido de 6 mil km² para 826 km².
De acordo com o Grupo de Trabalho da Soja, os 37,2 mil hectares da oleaginosa da safra 2015/2016, em desacordo com a moratória, representam apenas 1,1% da área desmatada no bioma. Ainda segundo o GTS, no período dos 10 anos da moratória, foram alcançados dois objetivos: a criação de uma estrutura de governança pública para a produção responsável, que desestimulou o desmatamento; e a garantia de conservação da Floresta Amazônica aos grupos de clientes da soja brasileira.
Organizações ambientais consideram a moratória um passo importante para a preservação do bioma. “Se a soja continuasse a se expandir sem controle, ela poderia ser uma enorme ameaça para a Amazônia”, afirmou, em entrevista ao Canal Rural Paulo Adriano, ambientalista do Greenpeace.
Além de sustentável, o acordo aumentou a produtividade da cultura na região. “Enquanto o desmatamento despencou três vezes, a área plantada com soja subiu para quatro milhões de hectares”, destacou Bernardo Pires, gerente de sustentabilidade da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

Fonte original: Universo Agro