Meritocracia sim, politocracia não Por José Luiz Tejon Megido


o CEAGESP que exige agora um presidente competente, indicado pela meritocracia e não pela politocracia, indicação política. Agora outra categoria se rebela e quer ver a meritocracia nos cargos das superintendências dos auditores agropecuários. São os fiscais federais, responsáveis pela segurança sanitária do país. Função de extrema importância e relevância no agronegócio, representa simplesmente a segurança agroalimentar, incluindo insumos e toda a defesa sanitária vegetal e animal.
Os auditores esperam que o decreto nº 8762 de 10 de março de 2016 seja cumprido, e este diz; Os cargos de superintendência federal devem ser entregues a servidores efetivos do quadro do Ministério da Agricultura.
O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários nos informam que a maioria dos superintendentes atuais foram indicados por políticos e estes agora se movimentam para revogar os artigos do decreto que definem a quem os cargos de liderança deveriam ser entregues. Meritocracia e não politocracia.
O governo Temer tem se manifestado de forma veemente a favor da meritocracia nos cargos públicos e de empresas públicas, e claro, assim deve ser. Estes cargos precisam estar muito além de leilões político partidários e estarem conectados a performance executiva.
Que os auditores agropecuários façam cumprir o decreto já aprovado no ano passado. Meritocracia sim, politocracia não.