Café brasileiro


O adido agrícola dos Estados Unidos estimou a produção de café do Brasil em 2017/18 em 52,1 milhões de sacas, queda de 4 milhões de sacas ante a safra anterior, devido ao ano de baixa no ciclo bienal dos pés na maioria das regiões produtores de arábica. A produção de café arábica foi estimada em 40,5 milhões de sacas, queda de 11 por cento ante a temporada anterior.
O adido disse que "floradas adequadas e condições climáticas favoráveis na maior parte das regiões produtoras provavelmente vão contribuir para boas produtividades", ainda que o ano seja de baixa no ciclo. A safra de robusta (conilon) foi estimada em 11,6 milhões de sacas, alta de 1,1 milhão de sacas ante 2016/17, com uma recuperação da safras do Espírito Santo, Rondônia e Bahia.
O adido notou que, devido à continuidade de déficits hídricos, os pés de café do Espírito Santo não recuperaram totalmente seu potencial produtivo de anos anteriores. As exportações de café para a safra 2017/18 foram projetadas estáveis em 33,03 milhões de sacas na comparação com a estimativa revisada para a safra 2016/17, devido à oferta limitada. A previsão do adido do USDA aponta uma safra maior do que a estimada na véspera pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que apontou 45,6 milhões de sacas.