Gestão de latifúndios


A expansão contínua do setor agrícola e a chegada de investidores tem forçado as fazendas a adotarem uma postura até então pouco conhecida e habitual ao negócio: contratar profissionais especializados na gestão de latifúndios. Esse movimento tem sido detectado pela Michael Page, empresa líder mundial em recrutamento executivo de média e alta gestão, parte do PageGroup. De acordo com a consultoria, a procura por esse tipo de profissional aumentou em 75% nesse primeiro semestre em relação ao mesmo período anterior.
“O gerente de fazenda é uma figura relativamente nova no cenário agro. É um gestor com competências técnicas e comportamentais capaz de lidar com as principais atividades que um negócio como esse exige: capacidade de desenvolver fornecedores, atuar na gestão financeira e cuidar de novos negócios. É um profissional capaz de trazer uma dinâmica nova às operações que as fazendas tradicionais não estão habituadas a praticar, marcadas especialmente pela governança familiar”, explica Marcelo Botelho, gerente do setor de agronegócio da Michael Page.
O salário de um profissional desse porte pode variar de R$ 8 a R$ 20 mil, dependendo do tamanho e complexidade da operação. Entre as funções exigidas para um cargo como esse, é necessário que o executivo gerencie tecnicamente o cultivo, que cada vez se torna mais complexo e diversificado com o advento do conceito de integração lavoura/ pecuária e até mesmo floresta nos grandes latifúndios. “O gerente de fazenda é uma peça estratégica, as propriedades agrícolas têm sido cada vez mais desafiadas no caráter produtividade. Precisamos encontrar um executivo com as qualidades necessárias para cuidar de uma operação complexa. Infelizmente ainda há poucos profissionais qualificados para assumir essas funções e algumas instituições de ensino tem buscado aprimorar o seu leque de especializações no setor agro atraindo executivos de outras áreas, oferecendo cursos complementares para esse nicho”, conta Botelho.
Os tipos de culturas que mais têm buscado esse tipo de profissional estão relacionadas à fruticultura, silvicultura, fazendas mistas e de hortaliças. Hoje há oportunidades para executivos com esse perfil no Ceará, Vale do São Francisco, Tocantins e no Centro-Oeste. Outra posição que tem sido bastante demandada no agronegócio são os RTVs (Representante Técnico de Vendas), executivos que consigam aproximar os fornecedores de insumos/serviços do produtor rural. “O agronegócio tem se consolidado cada vez mais como um dos pilares econômicos do país. Profissionais que tenham formação técnica e desenvolvam a capacidade de gestão na prática, se destacam. Essa posição surge, de fato, como uma opção de carreira ao longo da formação, especialmente para engenheiros agrônomos, florestais e afins”, comenta o headhunter.