Maior produtividade


Os espinafres formam parte das dietas saudáveis e os produtores mostram interesse por melhorar seu cultivo dentro dos novos parâmetros que impõem a União Europeia, cujo objetivo é substituir paulatinamente o uso de químicos por biofertilizantes. Conscientes destas exigências, pesquisadores da Universidade de Salamanca identificaram que a bactéria Rhizobium laguerrae melhora a produção, a qualidade nutricional e o aspecto dos espinafres.
O grupo de pesquisa “Interações Planta-Microorganismo” do Departamento de Micriobiologia e Genética da Universidade de Salamanca identificou que essa bactéria melhora a produção, a qualidade nutricional e o aspecto dos espinafres.
Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports e abrem o caminho para o desenvolvimento de novos biofertilizantes mais respeitosos com o meio ambiente, neste caso, em um cultivo com grande interesse comercial.
“Uma das nossas linhas de investigação é a busca de biofertilizantes para cultivos hortícolas de alto valor agregado”, explica Raúl Rivas Gonzáles, membro do grupo. “Os espinafres entram dentro das dietas saudáveis e também existe um grande interesse dos produtores por dispor de alternativas aos usos químicos convencionais porque assim marca a legislação europeia”, acrescentar.
Entre os micro-organismos considerados seguros para a agricultura se incluem as bactérias do gênero Rhizobium. Portanto, a equipe de pesquisa desenvolveu projetos similares para outros cultivos. Desta vez, o objetivo eram os espinafres. “Realizamos uma ampla triagem com cepas de bactérias que poderiam dar um bom resultado e realizar provas in vitro para comprovar que se integrará bem com a planta”, afirmou Gonzáles.

Fonte: Agrolink