Genomas do arroz


Um novo estudo publicado na revista Nature conseguiu identificar mais de 3.000 novos genes em espécies de arroz cultivados na Ásia, o que abre possibilidades para a criação de um banco de dados abrangente que pode auxiliar na segurança alimentar dos produtores mais vulneráveis do mundo. A pesquisa foi desenvolvido pelo Instituto Internacional de Investigação do Arroz (IRRI), em parceria com o Instituto de Ciências da Cultura da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas (CAAS) e mais 13 outras entidades.
Essa é a pesquisa que conseguiu mapear o maior número de variações genômicas em uma só cultura. A Dr. Jacqueline Hughes, vice-diretora geral de pesquisa, explica que a descoberta é importante porque possibilita a seleção de marcadores genéticos para selecionar plantas de arroz que são mais propensas a ter características específicas de acordo com a área de plantio. "Criadores de plantas podem fazer escolhas mais inteligentes na seleção de características para variedades melhoradas que os agricultores podem cultivar, o que leva à segurança alimentar e nutricional ", destaca.
Se baseando nessa pesquisa, os cientistas podem descobrir propriedades genéticas que podem facilitar o desenvolvimento de determinadas características como a capacidade de resistir a algumas doenças, inundações, secas ou água salgada, por exemplo. Para Dr. Ruaraidh Sackville Hamilton, principal cientista do IRRI e chefe do International Rice Genebank, os resultados são inovadores e significam um avanço significativo na área. "O que poderia levar até 40 anos desde a descoberta de características até o desenvolvimento varietal agora pode levar apenas alguns anos", declara ele.
Agora o próximo passo, segundo os pesquisadores, é explorar a diversidade das espécies de arroz selvagem. Eles acreditam que isso poderá auxiliar na definição das relações entre genótipos e fenótipos, além de melhorar a compreensão da biologia vegetal existente.

Fonte: Agrolink