Alta paulista


Nesta terça-feira (19), o suíno vivo apresentou alta em São Paulo, que fechou sua bolsa entre R$87,00 e R$88,00 a arroba (R$4,64/kg a R$4,69/kg) e Rio Grande do Sul, onde o preço médio passou a R$4,21/kg.
O preço médio para os gaúchos, portanto, não foi afetado pelo aumento do preço do milho e do farelo de soja no estado. A Pesquisa Semanal da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS) apontou que o preço do milho subiu, passando de R$24,12 para R$24,37 para a saca de 60 quilos. O farelo de soja subiu de R$1.041,25 para R$ 1.046,66 à vista e de R$ 1.047,50 para R$ 1.050,00 para pagamento em 30 dias.
O presidente da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), Valdomiro Ferreira Júnior, apontou que os números no estado de São Paulo foram alavancados pela redução da oferta, em associação com o movimento da demanda. A tendência já era prevista desde a última semana, quando algumas negociações foram feitas a R$85,00/@ (R$4,53/kg).
O ritmo de exportações para a Rússia, de acordo com o produtor, deverá ser intenso em setembro e outubro, para atender a uma demanda de curto prazo. No Brasil, as indústrias também deram início ao período de estocagem, além de o preço da carne suína estar mais atrativo do que o preço da carne bovina.
Apesar das boas perspectivas do mercado, Valdomiro alerta os produtores de que o momento não é de crescimento na produção, visto que a demanda externa é bastante pontual e o mercado interno depende de diversos fatores que podem afetar o consumo no próximo ano. Além disso, o consumo no Brasil ainda é pequeno, quando comparado com países europeus que consome cerca de 46 kg/per capita, enquanto aqui chega a 16 kg/per capita.

Fonte: Notícias Agrícolas