Nova fronteira em expansão


O polo agrícola que compreende os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (MaToPiBa) podem responder por 10% da safra recorde de 90 milhões de toneladas da oleaginosa e 15% da colheita de milho verão estimada em torno de 33 milhões de toneladas. Os números são da Expedição Safra 2013/14, que viajou 6,5 mil quilômetros para a sondagem do plantio no Centro-Norte do Brasil.

É a primeira vez que a região planta mais de 3 milhões de hectares de soja, e isso se deve à abertura de novas áreas em toda a região, principalmente em Tocantis (+17,3%), que bateu os 580 mil hectares, mesma marca do Piauí (+10,6%). O Maranhão está plantando 640 mil hectares (+9,2%) e a Bahia teve um aumento de 4,7%, com 1,34 milhão de hectares. No milho, a expansão foi menor mas também expressiva, variando de 13,4% no Piauí a 2,1% na Bahia e somando 1,38 milhão de hectares.

Segundo os técnicos da Expedição Safra, a região foi a única a ampliar as duas culturas. Nos demais centros de produção brasileiras, o avanço da soja reduziu a área do milho.

Recuperação

Depois de um ano com forte quebra climática, a tendência é de recuperação na produtividade, que deve aumentar 21,7% e 36,7%, respectivamente, em relação a safra anterior. A colheita pode chegar a 14,4 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 37,5% sobre a safra 2012/13. Além disso, esse resultado impõe a nova fronteira agrícola como o quarto maior produtor nacional de soja e milho, atrás do Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul.

Lagarta e Clima

O Piauí foi o estado com a maior expansão de área e espera registrar um aumento superior a 60% na produção de soja - a meta é atingir 1,73 milhão de toneladas, mesmo sendo o mais atingido pelas secas da temporada passada, quando sofreu estrago similar ao que aconteceu em 2001/02. As expectativas são positivas, em um momento no qual as lavouras sofrem com a lagarta Helicoverpa armigera.

A Bahia é a que mais vem sofrendo com a pressão das lagartas, mas os produtores garantem que a situação está sob controle. O Oeste baiano, a região mais consolidada da nova fronteira, permanece em alerta, com estoque para até nove aplicações de inseticidas. A preocupação também é compartilhada pelo Maranhão, sendo menor no Tocantins, onde os prejuízos na última colheita foram inferiores.