VALORIZAÇÃO DO AGRICULTOR


A segunda edição do Farm Perspective Study teve como principais conclusões o aumento do nível de confiança do agricultor como provedor de alimentos, desempenhando uma função necessária e essencial na sociedade e, também, uma maior satisfação do agricultor com o cenário atual da agricultura quando comparado ao resultado do estudo de 2011. A pesquisa foi encabeçada pela Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para investigar e aferir as percepções e atitudes de consumidores e agricultores no que diz respeito à agricultura. A pesquisa foi conduzida pela empresa Market Probe e ouviu um pouco mais de 300 agricultores e 1000 consumidores brasileiros.

O papel do agricultor na sociedade

No Brasil, os dois grupos de entrevistados estão mais alinhados quanto ao papel do agricultor na sociedade para a afirmação de que o "agricultor é um fornecedor de alimento", quando comparado ao estudo feito há três anos. Essa percepção aumentou em 18% entre os consumidores brasileiros, totalizando 88,6% de concordância. O agricultor também se sente mais responsável como provedor de alimento, o índice de aumento dessa percepção saltou de 79% para 93%.
O nível de satisfação do agricultor com sua função aumentou em 5,48%, ou seja, de 73% para 77%. Os produtores também se sentem melhor com sua posição na sociedade em relação à pesquisa anterior, passando de 62,3% para 73,3% em 2014. Os consumidores também afirmam respeitar os agricultores (90,5%).
Os agricultores brasileiros avaliam que devem concentrar ainda mais esforços para atender às expectativas dos consumidores, o que demonstra uma maior preocupação com as demandas do mercado.

Sustentabilidade e acesso aos alimentos

A maioria dos consumidores e agricultores brasileiros associou sustentabilidade na agricultura somente a aspectos relacionados ao meio-ambiente e biodiversidade, o que demonstra uma visão simplista acerca do tema. Apesar disso, constatou-se que os consumidores brasileiros aumentaram em 3,5% seu nível de preocupação com a sustentabilidade na agricultura em relação à primeira pesquisa, atingindo a marca de 82%.
No Brasil, 67% dos agricultores concordam que utilizam métodos sustentáveis de produção versus 37% dos consumidores.
Assim como na primeira edição da pesquisa, o estudo de 2014 constatou que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos por alimentos produzidos de forma ambientalmente amigável, de 65% de menções para 75% nesta edição da pesquisa. Entretanto, o índice de concordância entre os agricultores no país ainda é baixo (36%). Segundo Eduardo Leduc, vice-presidente Sênior da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para a América Latina e de Sustentabilidade para a América do Sul, esses dados refletem uma mudança na forma como os consumidores finais enxergam a produção agrícola, bem como reforçam a importância de comunicar adequadamente os avanços do setor e suas iniciativas sustentáveis.

Tendências

Temas como melhorias em tecnologia, mais subsídios do governo, mudanças climáticas, aumento da produtividade e utilização de biotecnologia foram apontados pelos agricultores como as principais tendências para os próximos cinco anos.
"Embora tenhamos um cenário positivo, fica clara a necessidade de conscientizar a opinião pública sobre a realidade e desafios dos agricultores. Ainda há uma diferença de entendimento sobre a atividade, mais precisamente no que se refere a métodos sustentáveis de produção e consumo. Porém, também fica evidente o comprometimento do agricultor com a qualidade da produção e é papel da indústria orientá-lo sobre novas tecnologias disponíveis", afirma Francisco Verza, vice-presidente da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para o Brasil.

Fonte: Agrolink