Arroz mais resistente


Ao interagir com outras proteínas, a enzima glutationa peroxidase (GPX) degrada os radicais livres e neutraliza os efeitos nocivos do estresse oxidativo nas plantas de arroz. Esta constatação do estudante Pedro Alexandre Velásquez, mestrando em Ciências Agrárias da Universidade Nacional da Colômbia (ONU), permitiria avançar para a "superexpressão" desta enzima. Segundo ele, isso significa que mais exemplares desta enzima nas plantas pode torná-las mais resistentes a condições ambientais adversas, como as causadas pelas mudanças climáticas. Quando um ser vivo está em condições desfavoráveis, como baixa disponibilidade de água, períodos prolongados em temperaturas extremas ou falta de nutrientes, dentro das células começam a aumentar as concentrações de radicais livres, átomos que, por ter um elétron sem um par, são muito reativos. O aumento dessas moléculas leva ao estresse oxidativo, responsável por danificar os componentes celulares dos organismos vivos e causar múltiplas doenças. "O oxigênio da a vida, mas também a remove; Ele dá porque precisamos que ele viva e o tira porque o processo de respiração gera radicais livres extremamente tóxicos para as células. As usinas demoram mais de 2,7 milhões de anos para melhorar a maneira de combater isso e nós investigamos como elas fazem isso ", diz o mestrando. Durante o estudo, verificou-se que as plantas em que o gene responsável pela produção de GPX foi silenciado ou "desativado" apresentaram 62% menos produção total de matéria seca e 52% menos na produção de sementes, como consequência da perda de controle do sistema de defesa antioxidante. Fonte: Agrolink