DESAFIOS PARA O AGRONEGÓCIO


Durante o seminário “Biotecnologia e Inovação”, realizado pelo jornal Valor Econômico, em São Paulo, Maurício Antônio Lopes, presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) listou os 10 desafios que o agronegócio brasileiro precisa superar nos próximos anos.
De acordo com Lopes, a capacidade de prever o futuro através do uso de novas tecnologias é o caminho para tomar decisões certeiras: “A biotecnologia encontrou terreno fértil no Brasil, quando o país fez a opção por um modelo de desenvolvimento agrícola baseado na ciência”.
Ainda segundo o presidente da Embrapa, a agricultura deixou de ser apenas uma fonte de alimentos para se ramificar em múltiplas atividades. “Reconhecer essa multifuncionalidade e enfrentar aparentes obstáculos como oportunidades de crescimento é o que vai fazer a diferença no futuro”, explica.
Saiba agora quais os pontos que, segundo ele, devem estar na lista de prioridades do agronegócio brasileiro como desafios a serem superados com ajuda da tecnologia:

1) Estresses hídricos
De acordo com dados da Organização Nacional das Nações Unidas (ONU), 70% da água do planeta é destinada à irrigação agrícola. Sendo o recurso natural indispensável para a manutenção das lavouras. “Diante dessa dependência, contribuir para a prevenção de crises hídricas é algo que deve fazer parte da rotina do produtor”, diz Lopes. Além do uso consciente de água, ele também recomenda a opção por Sistemas de Plantio Direto, que aumentam a infiltração de água no solo e reabastecem os lençóis freáticos.

2) Mudanças climáticas
Para acompanhar a instabilidade do clima, o presidente da Embrapa aconselha o uso de ferramentas para diminuir perdas na lavoura. Saber que vai haver uma geada ou um período prolongado de seca é fundamental nos dias atuais. Serviços de meteorologia e a agricultura de precisão são tecnologias chave para o produtor não ficar refém das adversidades climáticas.

3) Emissões na agropecuária
“Ao lado da necessidade de abastecer a população mundial e atender sua demanda por alimento, está o compromisso de praticar ações sustentáveis”, diz Lopes. Para ele, nesse contexto, descarbonizar a produção agrícola passou a ser ainda mais importante.

4) Desperdício de alimentos
Durante o encontro, Lopes ainda frisou que, segundo a FAO, 30% dos alimentos produzidos anualmente no mundo são desperdiçados. “Solucionar esse gargalo também é papel do setor agrícola, responsável pela produção, transporte e comércio de alimentos”, diz.

5) Mão de obra no campo
“Hoje, o Brasil também lida com a falta de mão de obra no campo e com a necessidade de mecanizar as lavouras. Precisamos tornar o trabalho rural atrativo para os jovens e capacitá-los para exercer funções técnicas”, argumenta.

6) Nutrição e saúde
Frente ao problema da subnutrição e da obesidade, a alimentação como forma de prevenir doenças também foi pauta. “Nesse sentido, cabe ao setor agrícola apoiar políticas públicas pelo consumo de alimentos saudáveis e de qualidade”, afirma Lopes.

7) Segurança biológica
Em um mundo em que o mercado de importações e exportações se tornou realidade, a preocupação com a biossegurança é inevitável. “Daí a necessidade de estarmos a par das leis do país e investir no controle de pragas e contaminantes”, declara o presidente da Embrapa.

8) Energia
No caso do agronegócio, a produção de energia é um mercado com amplas possibilidades e que precisa receber a devida atenção. “As oportunidades vão desde a produção de biocombustíveis até a obtenção de energias limpas, como a biomassa”.

9) Preocupação social
Mais do que um provedor de alimentos para a cidade, o campo é a casa de milhares de brasileiros. “Sendo que nosso objetivo deve ser sempre proporcionar qualidade de vida para essas pessoas e lutar por sua inclusão social”, lembra Lopes.

10) Turismo rural
Comparando o potencial brasileiro ao de países europeus, o presidente da Embrapa também destacou a possibilidade de aumentar investimentos no turismo rural que, segundo ele, ainda é não é muito explorado no país.

Fonte Original: Globo Rural