O novo perfil do engenheiro agrônomo


Desde a regulamentação da profissão, em 1933, muitas mudanças ocorreram e atualmente o agrônomo, como é popularmente conhecido, deve ter um perfil muito mais completo. Mais do que conhecer a parte técnica, o novo profissional deve ajudar o cliente a entender melhor diversos aspectos, que vão desde questões diretamente ligadas à plantação, até aspectos mais amplos como tendências de mercado e negócios.
As possibilidades de atuação do profissional de agronomia são muito maiores e vão além do campo. O engenheiro agrônomo tem um leque de oportunidades que não tinha antes: ele pode atuar em áreas de marketing, inteligência de mercado, trocas, análise de risco, entre outras. Isso demonstra uma mudança importante no papel deste profissional, que deixa de ser prioritariamente técnico e passa a ser também um consultor altamente especializado, independente da área em que trabalhe.
Com o aumento das oportunidades vem também o aumento das responsabilidades. Os chamados “profissionais do futuro” já são e serão cada vez mais os encarregados de ajudar a suprir as necessidades alimentares mundiais. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estima que, por conta do aumento da população, será necessário aumentar em 70% a produção mundial de alimentos até 2050.
Para atender a esta demanda, o engenheiro agrônomo tem um papel fundamental, pois é ele que vai propor soluções em produtos e serviços e orientar os agricultores sobre as melhores práticas, como o uso racional dos recursos naturais, visando produzir mais, melhor e sempre de forma responsável, alimentos para atender a crescente demanda mundial.
Estima-se que no Brasil haja cerca de 150 mil engenheiros agrônomos e cresce cada vez mais a busca por profissionais bem preparados para atender as novas demandas e necessidades do mercado agrícola. Algumas empresas, principalmente as focadas em pesquisa e desenvolvimento, como é o caso da Bayer CropScience, elaboram programas específicos para desenvolvimento de pessoas, que visam, em médio e longo prazo, formar especialistas para suas diversas áreas e em complemento ao que é visto nas universidades.
Há dois anos a Bayer CropScience implementou um programa de excelência operacional, baseado em três pilares: redesenho de processos para dar ainda mais foco às necessidades dos clientes, melhor sistemática de gestão de vendas e capacitação. Atualmente, os engenheiros agrônomos da empresa que atuam diretamente no campo são mais do que vendedores. Eles efetivamente se tornaram consultores do agronegócio e passaram a exercer um papel importante na elaboração e execução das estratégias da empresa.
Para se ter uma ideia da mudança trazida pelo projeto, em 2008 cada engenheiro agrônomo investia, em média, 21% do seu tempo em visitas a clientes no campo. Hoje, aproximadamente 40% do tempo é dedicado ao relacionamento com o produtor e à construção de negócios.
A capacitação da equipe é parte fundamental deste programa e a Bayer CropScience oferece aos profissionais treinamentos constantes, acompanhamento individualizado, palestras e cursos de atualização. Os temas não se restringem apenas a produtos ou culturas e são abordadas questões ligadas à sustentabilidade, por exemplo. Além das atividades presenciais, os engenheiros agrônomos têm a possibilidade de fazer cursos online, no método e-learning. Desta forma, o tempo dos colaboradores é otimizado, já que não precisam se deslocar todas as vezes que forem participar de um treinamento.
O resultado desta iniciativa é visível e beneficia diversos públicos. Para o próprio engenheiro agrônomo, que amplia suas possibilidades profissionais, pois está melhor preparado e se diferencia no mercado de trabalho. Também à empresa, que conta com pessoas mais comprometidas e capacitadas, o que ajuda a atingir as metas estabelecidas. Nos dois últimos anos, desde que a estratégia foi implantada, a Bayer CropScience vem apresentando crescimento, sempre de maneira sustentável. Esta frente contribui, ainda, com o desenvolvimento sustentável do agronegócio, pois ao levar informações atualizadas para o campo e o engenheiro agrônomo se torna um importante multiplicador de conhecimento.
Assim, fica claro o novo perfil do engenheiro agrônomo e também o papel fundamental que este profissional tem no desenvolvimento do agronegócio. A Bayer CropScience tem muito orgulho de contar com a colaboração destes profissionais e reforça seu compromisso com o seu principal ativo: o capital humano.

Gerhard Bohne – Diretor de Operações de Negócios Brasil da Bayer CropScience
Fonte: Portal Dia de Campo (www.diadecampo.com.br)