Etanol


O Brasil deverá dobrar as importações de Etanol na temporada 2014/2015 na comparação com a safra anterior, para 600 milhões de litros, numa temporada de quebra de produção de cana por causa da seca e com o setor se preparando para uma entressafra mais longa no Centro-Sul, avaliou ontem a consultoria Datagro.
Do total, a Região Centro-Sul deverá importar 180 milhões de litros, e o Norte/Nordeste outros 420 milhões. Na temporada passada, as importações do Centro-Sul somaram 60 milhões de litros, enquanto as do Norte/Nordeste atingiram 250 milhões de litros.
"No Centro-Sul, (as importações) já começaram. No Norte/ Nordeste, também", declarou o presidente da Datagro, Plinio Nastari. Tradicionalmente, o Brasil importa Etanol dos Estados Unidos, o maior produtor global do biocombustível.
As importações, que incluem maiores volumes para a região Centro-Sul do Brasil, responsável por cerca de 90% da produção de cana do Brasil, ocorrem em meio a uma menor ofertado produto por causa da quebra de safra pela seca.
A produção de Etanol na região deverá ficar em 24 bilhões de litros, 6,14% menos que em 2013/2014, segundo a última previsão da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), que ontem confirmou que esta safra terminará antes do normal, resultando numa entressafra mais longa. Segundo aUnica,22 usinas do Centro-Sul já encerraram os trabalhos desta temporada, ante seis usinas paradas no mesmo estágio da temporada passada.
Com uma oferta menor e uma entressafra mais longa, o presidente da Datagro estima também um aumento de mais de 10% nos preços do Etanol ante os valores atuais durante a entressafra, o que acaba viabilizando maiores importações. "A Datagro trabalha com um pico de 12% acima dos níveis atuais na entressafra, mas um aumento não muito acima do normal", afirmou Nastari.

Açúcar

A produção de açúcar no Centro-Sul na próxima temporada (2015/2016) foi projetada recentemente pela Datagro entre 29,1 milhões e 31,3 milhões de toneladas, menor ou praticamente estável em relação à safra atual (2014/2015).
Caso o ponto mais baixo da estimativa seja alcançado, a produção de açúcar do Centro-Sul poderia ser a menor desde a safra 2009/2010, quando somou 28,6 milhões, comparando as projeções da Datagro com dados históricos da Unica.
O resultado seria decorrente da menor disponibilidade de cana, após uma seca em 2014 que deverá afetar também a temporada que vem, além da perspectiva do "mix" mais alcooleiro.
A moagem de cana do Centro- Sul em 2015/2016 está estimada pela Datagro entre 520 milhões e 560 milhões de toneladas, ante 550 milhões em 2014/2015. O ponto alto da estimativa da Datagro leva em conta a confirmação de chuvas mais volumosas e a continuidade das precipitações durante a entressafra de cana, o que ajudaria na recuperação dos canaviais afetados pelo tempo seco deste ano.

Fonte original: O Estado de S. Paulo