Consumo de café


A produção nacional de café (arábica e conilon) deve ficar entre 46,53 a 50,15 milhões de sacas de 60 quilos do produto beneficiado neste ano. É o que aponta o 1º levantamento da safra 2014, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado nesta quarta-feira (9). O resultado pode representar entre 5,4% de redução até 2% de crescimento, se comparado aos 49,15 milhões da safra passada.

A maior redução foi observada no café arábica, que registra queda entre 2% a 8,4%. A diminuição pode ser observada devido a uma menor área plantada, reflexo do preço da cultura para o produtor, além da inversão da bienalidade em algumas regiões, como na Zona da Mata mineira, e adversidades climáticas, como a geada que atingiu o Paraná em 2013.

á o conilon apresentou aumento entre 5,5% e 16,2%, em função da recuperação da produtividade em relação à safra anterior, quando ocorreu uma forte estiagem no Espírito Santo.

Estimada entre 35,08 e 37,53 milhões de sacas, a produção de café arábica corresponde a 75,1% do volume de café produzido no País, e tem como maior produtor o Estado de Minas Gerais, com o volume variando entre 25,6 a 27,1 milhões de sacas. Já a produção do conilon, contabilizada entre 11,5 e 12,6 milhões de sacas, representa 24,9% do total nacional e tem como maior produtor o Espírito Santo, com colheita prevista entre 8,6 a 9,5 milhões de sacas.

Área

O cultivo do café deverá ocupar uma área total de 1,96 milhão de hectares, 3% inferior à safra passada, com uma redução de 61,04 mil hectares. Minas Gerais concentra a maior área plantada, com 1,01 milhão de hectares, predominando a espécie arábica (98,9%), o que representa 54,3% da área cultivada no País. A segunda maior participação é do Espírito Santo, com 448,20 mil hectares de café, sendo o este Estado o principal produtor de café conilon, que cultiva em 285,15 mil hectares. *com informações do Ministério da Agricultura