Fim de ano


Um dos momentos mais esperados pelas pessoas na época do Natal é a reunião da família para se deliciarem com as receitas típicas dessa época. Frutas, castanhas, vinhos, queijos, sucos de frutas, patês, geleias, peru, frango... A mesa dos brasileiros para a noite e para o almoço de Natal é farta, saborosa e variada. Por trás desses sabores há o trabalho árduo e diário dos milhões de agricultores que trabalham para que não falte alimento e para que essa celebração seja colorida, saudável e apetitosa.
A produção de Marcelo, que trabalha com castanha há 12 anos, varia de quatro a sete toneladas, no entanto, este ano, por causa da falta de chuvas, a colheita será menor. Mesmo assim, ele diz que comercializa nos dois últimos meses do ano quase que 100% do que produz e, de janeiro a março, a alternativa é vender a produção a grupos étnicos como japoneses e judeus, que têm o costume de consumo da fruta. Para os consumidores, o produtor deixa uma mensagem: “Muitos confundem as castanhas portuguesas importadas com as produzidas no Brasil. A diferença é que as nacionais são mais frescas e, consequentemente, têm mais água; são mais brilhantes e adocicadas. Podem ser usadas in natura, em farofas, no arroz e até em doces. Ficaria feliz se as pessoas consumissem as castanhas durante todo o ano e não só nesta época. Elas são saudáveis e, diferente de outras frutas como a amêndoa, noz e macadâmia, ela é isenta de óleo e apresenta bastante amido, vitaminas B e C e tanto potássio quanto a banana”.
As frutas também não podem ficar de fora. Rodrigo Veraldi, produtor atendido pelo Núcleo de Produção de Mudas de São Bento do Sapucaí, da CATI, diz que esta é uma ótima época para a produção e para a comercialização de frutas vermelhas como maçã, cereja, amora e framboesa. “Em dezembro, produzimos cerca de 10 toneladas de frutas e vendemos cerca de 80% delas frescas para aproximadamente 10 estabelecimentos comerciais da região. Durante o ano, essas frutas são vendidas congeladas justamente por serem produzidas apenas nessa época. As mesas e os paladares ganham com essas frutas diferenciadas e nós, produtores rurais, ficamos felizes com o aumento das vendas”.
Outra fruta tradicional das festas de fim de ano é a romã. Diz a lenda que, para atrair dinheiro, as pessoas devem comer a romã na noite do dia 31 de dezembro, separar sete sementes que devem ser guardadas na carteira até a próxima passagem do ano. Independentemente do resultado, certo é o benefício da fruta para a saúde.
A romã é um poderoso antioxidante, colabora para a beleza da pele, inibe os índices do LDL - o colesterol ruim -, entre outros benefícios. De acordo com André Yamanaka, produtor de São Miguel Arcanjo e que trabalha há 10 anos com a fruta, os brasileiros não têm o hábito diário de saborear a romã e o consumo maior, sem dúvida, é no fim de ano. “O consumo aumenta de forma vertical nesta época e consigo comercializar grande parte da produção”, informa André, que produz anualmente cerca de 150 toneladas da fruta. “A romã é muito procurada por outros países e a importada também é bastante consumida no Brasil. Vale a pena experimentar a romã nacional; a que produzo, por exemplo, tem a semente super macia, tem brilho, o suco extraído possui cor idêntica à do vinho tinto e algumas chegam a pesar até 1,3kg, quando a média é de 700 g”, orgulha-se.
Além das comidas e simpatias, o brinde não pode faltar. O vinho, produzido a partir da fermentação do sumo da uva, é bastante apreciado nas reuniões familiares. Em Jundiaí, considerada a Terra da Uva e do Vinho e uma das cidades do Circuito das Frutas, há vários pequenos produtores que trabalham na produção dessa bebida. Muitos deles estão reunidos na Associação de Viticultores Artesanais de Jundiaí (AVA), que, apesar do nome, já se tornou uma cooperativa. A AVA, atendida pela Casa da Agricultura de Jundiaí, com o apoio da CATI Regional Campinas, participa do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II - Acesso ao Mercado e, na terceira Chamada Pública, pleiteou veículo e maquinários para colocar em funcionamento uma linha itinerante de envase de vinho. Uma parte da solicitação já foi adquirida e outra está em licitação.
José Boschini, produtor integrante da AVA, confirma que a procura pelas uvas e pelo vinho é 60% maior que no restante do ano. “De um lado, os consumidores podem contar com o 13.º salário para investir nas festas. Do outro, temos a parceria de empresas que compram vinhos para presentear seus funcionários e clientes. O vinho é um presente elegante e com preço acessível e as uvas podem ser consumidas naturalmente, em doces, molhos e usadas na decoração. É fato que nesta época o mercado está aquecido e nós, produtores, também ficamos satisfeitos ao ter uma melhor renda”.
Prato principal, acompanhamento como arroz, salada, maionese, sucos, sobremesas e outros tantos alimentos que saboreamos só são possíveis graças ao trabalho digno dos produtores rurais. A Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, responsável pela assistência técnica e extensão rural de produtores paulistas, agradece, presta suas homenagens e deseja um Natal iluminado e um 2015 de muita produção a todos os agricultores do nosso País!

Setor supermercadista está otimista com as vendas

De acordo com pesquisa divulgada em novembro pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o setor supermercadista brasileiro espera crescimento de 14,1% nas vendas de produtos típicos durante o período de festas de final de ano, em relação à mesma época de 2013, de acordo com a Pesquisa de Natal Abras 2014, elaborada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da entidade. As expectativas do setor refletem otimismo semelhante ao apresentado no ano anterior, quando a projeção de vendas estava em torno de 14,9%. Supermercadistas de todo o País aumentaram as compras de quase todos os produtos de Natal. Dentre os produtos que lideram as maiores expectativas de crescimento de vendas estão: frango congelado (13,7%), pernil (12,2%), peixes congelados (11,2%), bacalhau (8,4%) e peixes frescos (6%). "As projeções para as vendas de final de ano são positivas. Após períodos como a Copa do Mundo e as eleições, que interferiram na frequência de compra nos supermercados, é esperada uma retomada maior do consumo motivado pelas festas. No geral, as encomendas seguem fortes e acreditamos que o Natal e o Réveillon 2014 serão de grandes vendas para o setor", destaca o presidente do Conselho Consultivo da Abras, Sussumu Honda.
  Fonte original: CAT online