Profissionais do agro brasileiro


A maior parte do território brasileiro é ocupado por florestas/áreas de conservação. 85% da população brasileira é urbana, estando apenas 15% nas áreas rurais. O agro é responsável por 25% do PIB brasileiro, por 35% da PEA (População Economicamente Ativa), isto significa cerca de 17 milhões de empregos.
O setor possui 36% das exportações, responsável pelo saldo positivo de nossa balança comercial. O agro envolve inúmeras atividades antes e depois da porteira. São cerca de 5 milhões de propriedades rurais, 60 mil agroindústrias e 300.000estabelecimentos comerciais. Os profissionais envolvidos nestas atividades possuem diversos níveis de formação/educação, desde os que contribuem com a mão-de-obra (peões) até cientistas/técnicos altamente especializados.
Dependendo da complexidade das atividades desempenhadas, atuam no agro técnico agropecuário (execução, manutenção), tecnólogos (fiscalização, orçamento) e profissionais de nível superior pleno - Engenheiros, Médicos Veterinários, Zootecnistas, Economistas, Advogados, etc. (projetos, coordenação, estudos, consultorias, ensino, pesquisa, extensão).

As principais áreas de atuação dos profissionais do agro são:
1. recursos naturais e manejo ambiental (solos, água, biodiversidade/ecossistemas, bacias hidrográficas, recuperação de áreas degradadas);
2. engenharia de biossistemas (climatologia, energia agrícola, irrigação/drenagem, máquinas e equipamentos agrícolas, topografia/ georreferenciamento, construções e estradas rurais);
3. biotecnologia (melhoramento de plantas e animais por métodos convencionais e moleculares/transgênicos);
4. produção vegetal (sistemas de produção de alimentos, culturas energéticas, fibras, fertilidade de solos/ nutrição vegetal, proteção de plantas/fitossanidade, floricultura, parques e jardins);
5. produção animal (carne de boi, frango, suíno, peixes/frutos do mar, pequenos animais);
6. processamento de produtos agropecuários (industrialização de carnes, farinhas, óleos, leite, sucos, açúcar, álcool, celulose, papel, madeira);
7. economia, administração e sociologia rural (política e desenvolvimento rural, marketing do agro, planejamento/projetos, financiamento e seguro rural, gestão da produção, comercialização de produtos agropecuários, logística, preços agrícolas).

Entre os profissionais do agro, podemos destacar os Engenheiros Agrônomos, Engenheiros Florestais, Engenheiros Agrícolas, Engenheiros de Pesca/ Aquicultura, Meteorologistas, Médicos Veterinários, Zootecnistas, Biólogos, Engenheiros Ambientais, Engenheiros de Alimentos, Engenheiros de Produção, Engenheiros Químicos, Engenheiros Agrimensores, Químicos, Nutricionistas, Cientistas de Alimentos, Engenheiros Civis, Engenheiros Mecânicos, Economistas, Administradores, Advogados, Ecólogos, Geógrafos, Médicos, Publicitários, Comunicadores, Jornalistas, etc. Estes profissionais podem atuar em empresas/instituições públicas e privadas.Pesquisa apresentada recentemente pela ESPM/ABAG/IPESO sobre a percepção da população dos grandes centros urbanos sobre o agronegócio brasileiro, ouvindo 600 moradores das 12 maiores capitais do Brasil, mostrou que os profissionais mais relacionados ao agro são Engenheiros Agrônomos (75%), Engenheiros Ambientais (51%), peões (45%), Médicos Veterinários (37%), Administradores (27%), Nutricionistas (25%) e Químicos e Economistas (22%).
Importante ressaltar que os profissionais demandados pelo agro brasileiro atual devem apresentar qualidades pessoais satisfatórias (ética, liderança, responsabilidade, espírito de equipe, empreendedorismo), boa comunicação e expressão, conhecimentos sólidos em economia/ gestão e métodos quantitativos computacionais/tecnologia da informação, além da tecnologia de produção.

*José Otavio Menten é presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), eng. agrônomo, mestre e doutor em Agronomia, pós-doutorado em Manejo de Pragas e Biotecnologia, professor associado da USP/ESALQ.