Redução de orçamento


O Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, anunciou na última sexta-feira o maior corte orçamentário da história do Brasil. O contingenciamento foi de R$ 69,9 bilhões, enquanto no ano passado a redução no orçamento foi da ordem de R$ 44 bilhões. Isso significa menos dinheiro para os ministérios e investimentos do governo.
O maior corte foi no PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), responsável pelas obras de infraestrutura do país. O orçamento será de R$ 40 bilhões, redução de R$ 25,7 bilhões do previsto. Segundo o ministro, o orçamento é suficiente para concluir 14 obras rodoviárias neste ano e dar andamento 13 projetos, além de finalizar a ferrovia norte-sul e manter programas sociais como o de habitação, saneamento e combate à crise hídrica. "A velocidade dos investimentos será compatível com espaço fiscal que governo tem", declarou em coletiva com a imprensa.
O Ministério da Agricultura também foi afetado com redução de 1,3 bilhão, sobrando um orçamento de 2,3 bilhões. Já o ministério do Desenvolvimento Agrário, sofreu corte de R$ 1,8 bilhão, restando um orçamento de 1.892 bilhão. A expectativa agora do setor rural é com o anúncio do Plano Safra Agrícola, previsto para o dia 2 de junho.
O ajuste fiscal foi necessário para acertar as contas do governo que, no ano passado, gastou três vezes mais do que arrecadou. Com essas ações, o que se espera é "retomar a estabilidade macroeconômica e preparar a economia brasileira para um novo ciclo de crescimento baseado na expansão da oferta e do crescimento da produtividade", explica o porta-voz do governo federal.

Fonte original: Universo Agro