Gripe aviária


O governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou na tarde do dia 27, decreto que aprova a criação de um comitê que tem a missão de adotar medidas preventivas para o controle da influenza aviária. O decreto beneficia, principalmente, a avicultura industrial, mas também o segmento que envolve as aves silvestres cativas, migratórias, autóctones e de criações informais.
O comitê será composto pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, através do Instituto Biológico; a Secretaria da Saúde, por seu Centro de Vigilância Epidemiológica, Secretaria do Meio Ambiente; Fundação Parque Zoológico de São Paulo e Secretaria de Segurança Pública, através da Polícia Militar Ambiental.
A preocupação do Estado se intensificou, neste momento, principalmente porque o mês de maio é o período de migração das aves silvestres. E a prdoução avícola é a terceira maior atividade agrícola de São Paulo.
Somente nos Estados Unidos, mais de 40 milhões de aves foram atingidas pelo vírus. O surto da doença afetou o mercado americano, o que causou alta no preço dos ovos e da carne de frango.
A influenza aviária é causada pelo vírus H5N2, altamente contagioso e pode ser difundida rapidamente pelo país e atingir tanto o ser humano, quanto animais. Aves silvestres, patos e marrecos podem disseminar o vírus, mas a doença também pode ser transmitida por meio de objetos contaminados e pela água.

Fonte original: Universo Agro