60ª EDIÇÃO DO PRÊMIO FUNDAÇÃO BUNGE


O Prêmio Fundação Bunge, criado para incentivar as ciências, letras e artes, para homenagear o poder transformador dos indivíduos na sociedade e estimular novos talentos, recebeu 167 indicações de 70 entidades acadêmicas e científicas brasileiras, em sua edição de 2015. Dois profissionais de cada área, com trabalhos relevantes relacionados aos temas “Recuperação de solos degradados para a agricultura” e “Saneamento básico e manejo de água” serão contemplados nas categorias Vida e Obra e Juventude (até 35 anos).
Serão quatro premiados no total: dois profissionais na categoria Vida e Obra, e dois em Juventude. Os contemplados recebem, cada um, R$ 150 mil e R$ 60 mil, respectivamente, além de medalhas de ouro e prata e diplomas. O resultado será divulgado em julho, logo após a reunião do Grande Júri, composto por reitores de universidades e presidentes de entidades científicas e culturais, no Tribunal de Justiça de São Paulo.
Completando 60 anos, o Prêmio já homenageou diversas personalidades e pesquisadores relevantes para o progresso da Ciência e da Cultura do País, como Di Cavalcante, mestre da pintura brasileira e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna de 1922, Carlos Chagas Filho, médico, pesquisador e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da biofísica no Brasil, Oscar Niemeyer, arquiteto responsável pelo planejamento arquitetônico de Brasília e ícone da arquitetura moderna, Paulo Freire, educador, pedagogista e filósofo, o jurista Miguel Reale, Alexandre Fadigas de Souza, profissional de destaque na área de Ciências Florestais que desenvolveu o primeiro trabalho brasileiro que utilizou ferramentas de geoestatística para detectar padrões de conservação e degradação florestal, além dos escritores e poetas Manuel Bandeira, Érico Veríssimo, Jorge Amado e Rachel de Queiroz.
Em nenhum momento do processo de premiação são divulgados os nomes dos indicados, apenas os dos contemplados de cada área que são conhecidos no final do processo. Esse sigilo assegura a independência do Prêmio e a indicação dos melhores em cada área, segundo o aval dos reconhecidos especialistas integrantes das comissões. Por isso, não há concorrentes, nem perdedores. O prêmio destaca a inovação incorporada nos projetos, que acabam beneficiando a sociedade brasileira e até outros países, que podem adotar iniciativas bem sucedidas aqui e que servem para outras sociedades.