Aniversário IAC


O Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, celebra seus 128 anos de existência dando um passo em direção a uma nova ação multi-institucional e internacional voltada para o desenvolvimento agrícola sustentável. Durante a cerimônia de aniversário, que será realizada no dia 26 de junho de 2015, a partir das 15h, na Sede do IAC, em Campinas, será assinado o acordo de cooperação técnica e científica entre a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto Agronômico (IAC), Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) e o Instituto Biológico (IB), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, a Prefeitura Municipal de Campinas, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Associtech Techno Park Campinas e a Associação Agropolis International, com sede em Montpellier, na França. Representantes de todas as partes estarão no IAC para assinatura do documento. A Embrapa e o Consulado Geral da França em São Paulo são intervenientes neste acordo.
A associação francesa Agropolis International é financiada e administrada por instituições da comunidade científica regional de Languedoc-Roussillon, em Montpellier. É voltada para a pesquisa agronômica e o desenvolvimento sustentável. Criada em 1986, é considerada uma das maiores concentrações de competências nas áreas de agricultura, alimentação, biodiversidade e meio ambiente.
O acordo de cooperação visa estabelecer intercâmbio entre as partes, por meio da implementação de projetos de cooperação técnica nas áreas de agricultura, alimentação, biodiversidade, bioenergia, química verde e desenvolvimento sustentável. Conforme consta no documento, essas atividades devem envolver pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica, com extensão a outras instituições de pesquisa e empresas, que atuem nesses segmentos e estejam sediadas no entorno de Campinas e de Montpellier. Esta região francesa reúne propriedades agrícolas, onde é feito o cultivo de videiras e o engarrafamento de vinhos, no mesmo local.
O Instituto Agronômico reúne pesquisas e resultados em todas as áreas contempladas no acordo e que constituem o escopo de atuação da Agropolis International. O IAC será responsável pela coordenação executiva do acordo e centralizará o acompanhamento das questões administrativas relacionadas à cooperação.
O diretor-geral do IAC, Sérgio Augusto Morais Carbonell, ressalta que o aporte tecnológico desenvolvido pelos institutos envolvidos nesta parceria já está, há tempos, à disposição do mercado. Entretanto, há muito a ser construído no caminho que leva à inovação, na adoção das tecnologias pelos setores de produção. Espera-se, segundo Carbonell, que os novos delineamentos resultantes do acordo possam acentuar as interações entre instituições de pesquisa e desenvolvimento e o mercado. “As experiências da Agropolis deverão trazer modelos que, adaptados às condições da Região Metropolitana de Campinas, possam contribuir para o incremento de renda e melhoria de qualidade de vida em nosso entorno”, diz.
O Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, afirma que a expectativa é agilizar o contato entre as instituições de pesquisa e ensino e as indústrias, que possam adotar as tecnologias geradas. Esse resultado deverá ser alcançado por meio do desenvolvimento de projetos de cooperação. Esse sistema será também uma forma de acelerar a inovação tecnológica, aumentar a competitividade das organizações envolvidas e ampliar as fontes de financiamento para ciência. Não haverá repasse de recursos entre as partes. O acordo tem vigência de cinco anos, podendo ser renovado.
“Os três institutos da Secretaria - IAC, Biológico e ITAL - reúnem todo o conhecimento almejado neste acordo, em tecnologias já geradas e com potencial para o desenvolvimento de novos recursos. Esse tipo de parceria vai ao encontro da diretriz do governador Geraldo Alckmin, que recomenda maior interação entre as instituições paulistas e demais elos da sociedade”, diz Arnaldo Jardim.
O diretor-geral do IAC ressalta que a competência científica paulista já está devidamente comprovada. Falta ainda, porém, domínio na prática de transferir os pacotes tecnológicos para seus usuários. “Precisamos de modelos jurídicos e empresariais que agilizem essas transferências, daí a relevância de somar competências diversas. Essa união vai nos permitir enriquecer as habilidades individuais, direcionando-as a resultados que, isoladamente, seria mais difícil alcançá-los”, completa.
A parceria cria também a possibilidade de intercâmbio entre os participantes a fim de contribuir com a formação de recursos humanos. Montpellier tem universidades bem avaliadas. Campinas oferece a excelência do ensino da Unicamp e os cursos de pós-graduação existentes no Instituto Agronômico, Instituto Biológico e Instituto de Tecnologia de Alimentos, com programações diferenciadas pela intensa participação dos pós-graduandos nas atividades científicas de cada instituto.

Parcerias
Cafeicultura

O Instituto Agronômico já manteve algumas parcerias com instituições membros da Agropolis. Em 2014, foi concluído um projeto de cooperação com o Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement (CIRAD). Iniciada em 2012, a pesquisa envolveu a resistência duradoura do cafeeiro à ferrugem. Um pesquisador do CIRAD permaneceu no Centro de Café do IAC, em Campinas, durante os dois anos de estudos. Outro acordo de cooperação com o CIRAD, também focado em estudos com café, foi executado de 2004 a 2006, período em que um pesquisador francês permaneceu no IAC, desenvolvendo pesquisas relacionadas a nematoides pragas da cultura.
O Instituto Agronômico firmou parceria também com o Institut de Recherche pour le Développement (IRD), outro membro da Agropolis. De 2002 a 2005, IAC e IRD se dedicaram à análise molecular de cultivares de café IAC, a fim de fazer a caracterização de resistência a pragas e doenças. Neste mesmo período, mais um projeto foi conduzido pelo IAC, IRD, CIRAD e instituições de outros países europeus e da América Central, envolvendo estudos sobre a resistência a nematoides em variedades de café na América Latina.
Há também cooperação voltada à capacitação técnica. De setembro a outubro de 2004, uma pesquisadora do IAC participou de treinamento no Laboratório de Química e Tecnologia do Departamento de Culturas Perenes do CIRAD. Em outra ação de treinamento, um aluno de mestrado da Pós-Graduação do IAC em Agricultura Tropical e Subtropical foi fazer o doutorado no IRD, onde pesquisou resistência do cafeeiro à ferrugem. Apesar de a França não produzir café, o país tem tradição em pesquisas com a cultura e é um grande consumidor mundial de cafés de qualidade.

Heveicultura

Atualmente, pesquisas com seringueiras desenvolvidas pelo IAC contam com parceria do Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement (CIRAD). A finalidade é fornecer aos geneticistas ferramentas adicionais para a elaboração de mapas genéticos moleculares e o estudo da diversidade genética da espécie, que dá origem ao látex natural. O projeto, chamado RUTHIS (Rubber Tree High throughput SNP discovery for the improvement of marker assisted selection efficiency), objetiva o desenvolvimento de marcadores moleculares do tipo SNP (Single Nucleotide Polimorphism) para seringueira. Também participam do estudo alunos da Pós-Graduação do IAC em Agricultura Tropical e Subtropical, alunos do Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG), da Unicamp, e do CIRAD, que tem pesquisadores dentro e fora da França trabalhando em cooperação internacional.
Na prática, as tecnologias envolvidas na parceria auxiliam na redução do tempo em pesquisas com melhoramento genético e, consequentemente, aceleram a disponibilização de novas tecnologias ao setor. O objetivo é obter novos clones de seringueira em menor tempo de pesquisa e com característica de precocidade, que viabilize o início do processo de sangria após quatro anos do plantio. Os materiais em estudos são resultantes de cruzamentos feitos no Instituto Agronômico. A identificação e a quantificação do SNPs, responsável pelos marcadores moleculares, foram desenvolvidos na França, pelo CIRAD, juntamente com o CBMEG, na Unicamp. Com base nos resultados, será desenvolvido o mapa genético molecular. A participação francesa consiste nas análises laboratoriais dos marcadores sofisticados. Os alunos envolvidos com teses viajam temporariamente para a Universidade de Montpellier, a fim de elaborar esses trabalhos. A Unicamp participa com a orientação de alunos em mestrado e doutorado.
A pesquisa conta com recursos do Brasil, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e da França, pela Agropolis. O Estado de São Paulo, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), tem um acordo de cooperação com o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (CIRAD), com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento e a intensificação da cooperação científica na área da pesquisa agronômica.

Segurança no campo

Na área de segurança em aplicação de agrotóxicos, o Instituto Agronômico está iniciando tratativas com o Ministério da Agricultura da França, que está começando a adotar a ISO 27065, que regulamenta a qualidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para uso agrícola. Neste tema, o Brasil é o país com maior volume de informações, graças aos trabalhos do Instituto Agronômico, que estuda o assunto desde 1994. Os resultados paulistas poderão servir de apoio para a França. O maior país da União Europeia enfrenta, atualmente, problemas com segurança em aplicação de agrotóxicos que o Brasil vivenciou há dez anos.
SERVIÇO Aniversário de 128 anos do Instituto Agronômico (IAC)
Data: 26 de junho de 2015
Horário: 15h
Local: Avenida Barão de Itapura, 1481, Guanabara, Campinas